As invisíveis crianças de rua da Avenida Mar Vermelho em Intermares no olhar e na crítica de Suylla Sampaio

Suylla Sampaio, 31 anos é do tipo que acredita nas pessoas e que elas podem fazer melhor, inclusive mudando suas atitudes. Uma cidadã que sabe que não se pode julgar as pessoas por uma conduta ou um momento de sua vida. Acredita que todas as pessoas nasceram com um propósito, com habilidades e que não existe ninguém sem dons...
Passando diariamente pela Avenida Mar Vermelho em Intermares (logradouro onde estão instalados: os supermercados, farmácias e a padaria pandine), Suylla Sampaio pode no âmbito de sua percepção, enxergar as crianças pedintes daquela rua e no pulsar de sua sapiência crítica, escrever em um de seus perfis nas redes sociais, o artigo que transcrevemos abaixo na íntegra.
“Há tempos que venho observando as crianças que praticamente moram na Rua Mar Vermelho, que ficam acampadas na farmácia Pague Menos, ou em frente aos supermercados, pedindo a cada um de nós que usufruímos dos serviços desses estabelecimentos, um troco, um lanche... Nossa atitude, geralmente é olhar, ficar com dó e depois, virar o pescoço para outro lado como se nada de muito triste tivéssemos visto. Como se fosse apenas um fato corriqueiro, uma realidade que não podemos mudar.
Mas, o fato é que essas crianças estão ali. Amanhã elas serão adultas e provavelmente também serão parte da nossa comunidade. O que hoje nos destrói o coração (crianças abandonadas, ociosas, sem acompanhamento ou qualquer orientação), poderão ser, caso não seja feito nada, adultos sem qualquer perspectiva, que encontrarão outros caminhos, dos quais, não são os que queremos assistir em nossa comunidade.
Buracos nas ruas podem ser tapados, avenidas asfaltadas, prédios construídos e reformados, mas ninguém poderá voltar o tempo e dar de volta a uma criança sua infância perdida.
Sei que crianças abandonadas e moradoras de rua tem em todos os lugares, mas o que vimos na Mar Vermelho, são crianças que vivem ali há dois ou três anos. E fiquei me perguntando, quem são aquelas crianças? onde moram? 
Já vi que eles não dormem ali. Então eles voltam para algum lugar todos os dias. Quais escolas elas estão matriculadas? Sim, porque, hoje em dia qualquer família de baixa renda tem bolsa família, que tem como requisito ter as crianças na escola. E depois penso, caso elas estejam matriculadas, cadê os professores dessas escolas, que deveriam fazer a chamada e comunicar ao Conselho Tutelar as faltas freqüentes e o abandono desses alunos? Cadê o Conselho Tutelar? Ministério Público? Estado? E caso exista família envolvida com essas crianças, porque ainda estão com a guarda delas, já que elas são abandonadas?
Escrevi tudo isso porque não consegui virar o pescoço, novamente e pensar em outras coisas... Hoje não consegui. Moramos em um bairro pequeno, aqueles pequenos, não são muitos. Talvez, algo seja feito e eles retornem para as ruas. Mas, pode ser que algo seja feito e ao menos uma delas consiga sair das ruas. Isso, já faz toda diferença.” Suylla Sampaio.
Edção: Aguinaldo Silva

Foto: Internet/Aguinaldo Silva
Compartilhe este artigo :

Gostou do que leu? Comente. Compartilhe. Divulgue

RENASCER EM NOTÍCIA

Minha foto

AGUINALDO SILVA - Radialista Profissional - 2.913 DRT-PB, 46 anos, servidor publico, natural de Mulungú-PB, radicado em Cabedelo-PB desde 1988, divorciado, pai de um casal de filho, produtor e ativista cultural, socialista por convicção, militante social, cultural e político em Cabedelo,  blogueiro, escreve no site www.cabedelonarede.com.br e no blog www.renasceremnoticia.blogspot.com
Ama os seres humanos e detesta a desigualdade social. "Se voce é capáz de se indignar com o sofrimento de seu semelhante, somos amigos" Frase de Che Guevara que tem como moldura em sua vida.
Atualmente trabalha na Casa da Cidadania de Cabedelo e busca ativar o movimento cultural do Renascer e interligar em rede, o terceiro setor de Cabedelo.
 
Site: Cabedelo Na Rede : Click aqui Copyright © 2011. Renascer em Notícia - Editado por Rhicardho
Proudly powered by Blogger