Segundo pesquisa do Procon o preço do material escolar varia em até 841,2% na capital paraibana


O Procon de João Pessoa (Procon-JP) pesquisou mais de 200 itens de material escolar e encontrou uma variação de preço de até 841,2% entre as livrarias e papelarias visitadas. Para orientar os pais na hora das compras, o órgão de defesa do consumidor faz recomendações e alerta para os produtos que não podem ser exigidos pelas escolas, conforme a Lei Municipal Nº 8.689/ 98, do então vereador Luciano Cartaxo.
Os pesquisadores realizaram o levantamento em nove estabelecimentos comerciais da cidade. A maior diferença de preço (841,2%) foi verificada na unidade do apontador simples da Faber, que custa de R$ 0,17 a R$ 1,60, com o menor valor na livraria Modelo e o maior na Arco-Íris.
Já a segunda maior variação de preço (541%) está na régua cristal de 30 cm da Maped, que é comercializada entre R$ 0,39, na Casa Tudo, e R$ 2,50, na Arco-Íris. Outra diferença considerável foi encontrada na cola para isopor de 40g da Qualify, indo de R$ 0,50 a R$ 2,00. O menor preço foi encontrado na GR papelaria e o maior na Arco-Íris, o que representa uma diferença de 300%.
Para as opções de caderno a diferença de preço entre os estabelecimentos ultrapassa 200%. Exemplo disso é o caderno de 96 folhas da Norma, que custa de R$ 2,92, na Livraria Legal, a R$ 10,50 na Papel Mais. A pesquisa completa dos 202 itens de material escolar está disponível no site da PMJP (www.joaopessoa.pb.gov.br).
Regras – A exigência de material escolar pelas instituições de ensino da rede particular deve seguir o que determina a Lei Municipal Nº 8.689/ 98. De acordo com a coordenadora do Procon-JP, Nadja Palitot, a lei estabelece que as escolas deverão divulgar no período de matrícula a lista de material escolar necessário ao aluno acompanhada do respectivo plano de execução.
“Isso é uma garantia importante para os pais que estiverem passando por dificuldades financeiras, pois não são obrigados a comprar todos os materiais que constam na lista no início do ano, mas sim, antes de cada unidade em que será utilizado. Além disso, faz com que os pais tenham mais conhecimento do que será feito em sala de aula”, avaliou. Ela ressaltou que, no caso da entrega parcelada, a lei prevê que deverá ser feita com pelo menos oito dias de antecedência do início da unidade.
Nadja Palitot também destacou que as escolas são proibidas de determinar a marca e modelo dos materiais, assim como o estabelecimento onde os itens devem ser adquiridos. Outra regra prevista na lei é a de que a instituição não pode exigir materiais de consumo de expediente da própria escola.
A coordenadora do Procon-JP também esclareceu que as instituições não podem condicionar a participação ou permanência do aluno nas atividades à aquisição e fornecimento de livro didático ou material escolar. Se descumprirem a determinação, os estabelecimentos poderão ser autuados e multados entre R$ 400 e R$ 6 milhões, como prevê o Código de Defesa do Consumidor (CDC).
Itens que não podem ser exigidos:
- Papel oficio
- Papel higiênico
- Fita adesiva
- Estêncil
- Tinta para mimeógrafo
- Verniz corretor
- Álcool
- Algodão
- Artigos de limpeza e higiene (desde que não seja de uso individual do aluno)
Orientação – O Procon-JP também orienta para algumas estratégias e cuidados que os pais podem ter para garantir mais economia e também a compra de materiais com qualidade para seus filhos. De acordo com a coordenadora do Procon-JP, Nadja Palitot, o primeiro passo antes de sair às compras é analisar quais os materiais escolares que o filho já possui e pode ser aproveitado.
“Sabendo o que realmente precisa, é hora de pesquisar os preços e procurar produtos seguros, observando a qualidade e os prazos de validade. É preciso ter cuidado se for levar o filho para as compras, pois eles se influenciam mais com produtos licenciados de grifes, com fotos de artistas e desenhos animados, que geralmente tem um custo maior”, recomendou.
Nadja Palitot também orientou que os pais exijam da loja que os produtos importados tenham informações em Língua Portuguesa. Outra dica é buscar fazer compras em conjunto com outros pais, buscando um índice maior de desconto no estabelecimento ou adquirindo produtos vendidos em pacotes com uma quantidade maior, pois são comercializados com preço de atacado.
“No início do ano surgem muitas despesas extras, como impostos e até os pagamentos de compras feitas nas festas de final de ano. Quem tem filhos tem um peso a mais no orçamento por causa de matrícula e material escolar, então é hora de planejamento, de botar no papel os gastos e encontrar a melhor forma de quitá-los para não começar o ano endividado”, frisou Nadja Palitot.
Fonte: Secom-JP
Imagem da internet
Compartilhe este artigo :

Gostou do que leu? Comente. Compartilhe. Divulgue

RENASCER EM NOTÍCIA

Minha foto

AGUINALDO SILVA - Radialista Profissional - 2.913 DRT-PB, 46 anos, servidor publico, natural de Mulungú-PB, radicado em Cabedelo-PB desde 1988, divorciado, pai de um casal de filho, produtor e ativista cultural, socialista por convicção, militante social, cultural e político em Cabedelo,  blogueiro, escreve no site www.cabedelonarede.com.br e no blog www.renasceremnoticia.blogspot.com
Ama os seres humanos e detesta a desigualdade social. "Se voce é capáz de se indignar com o sofrimento de seu semelhante, somos amigos" Frase de Che Guevara que tem como moldura em sua vida.
Atualmente trabalha na Casa da Cidadania de Cabedelo e busca ativar o movimento cultural do Renascer e interligar em rede, o terceiro setor de Cabedelo.
 
Site: Cabedelo Na Rede : Click aqui Copyright © 2011. Renascer em Notícia - Editado por Rhicardho
Proudly powered by Blogger