Juízes federais e do Trabalho param dois dias, rejeitam os 15% divididos em 3 anos e prometem manifestações em todo o País


Juizes federais e do Trabalho paralisam suas atividades hoje e amanhã em protesto contra o que classificam de "desvalorização de suas carreiras" pelas perdas remuneratórias que somam 28,86% desde 2005, quando foi adotado o regime de subsídio em parcela única. Eles também decidiram em assembléia não participar da Semana Nacional de Conciliação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que vai até 14 de novembro.
Nos fóruns de todo o Brasil serão feitas manifestações conjuntas. Os magistrados da União estão sendo orientados a comparecer às varas e juizados, mas que não realizem audiências ou emitam sentenças, exceto em "casos mais graves e urgentes" - réus presos ou quando para adoção de medidas cautelares.
Além da reposição, os juízes querem adicional por tempo de serviço e equiparação com a magistratura dos Estados e com o Ministério Público. Eles asseguram que não haverá prejuízo à população, "uma vez que as audiências que seriam realizadas durante a semana serão antecipadas ou marcadas para datas próximas".
"Em flagrante desrespeito à Constituição, o Poder Executivo não encaminhou ao Congresso, no ano passado, a proposta orçamentária do Judiciário que assegurava o reajuste do subsídio e, neste ano, a proposta do Judiciário foi indevidamente reduzida", alegam a Associação dos Juizes Federais (Ajufe) e a Associação Nacional dos Magis trados da Justiça do Trabalho (Anamatra), entidades que conduzem o movimento.
s juizes estão indignados porque foi oferecida a todos os servidores.inclusive a eles, reposição de 15%, em três parcelas anuais de 5%. "(O governo) não levou em consideração a peculiaridade da magistratura. Isso foi muito mal recebido pelos juizes" , diz o presidente da Ajufe, Nino Toldo. "Não queremos privilégios, apenas a reposição."
Achatamento. O modelo de subsídio em parcela única, há sete anos em vigor, provocou o engessamento dos vencimentos da toga. Nesse período, o subsídio teve apenas um reajuste. O juiz em início de carreira ganha quase o mesmo daquele que está perto da aposentadoria. "A independência da magistratura é fundamental para a democracia, e ela passa por uma remuneração condigna", observa Toldo. "Os juizes são cidadãos como os outros, só que eles têm uma grande responsabilidade decorrente de suas atividades", observa Toldo. "Não há mais estímulo porque o subsídio está achatado, não há mais um sentido de carreira."
O presidente da Anamatra, Renato Sant'Anna, disse que os juízes não pretendiam parar, mas a medida se tornou inevitável. "Não tem um trabalhador que se contente com 30% de perda salarial. A Constituição garantiu a irredutibilidade dos salários, e não o fez por acaso. O objetivo era garantir a estabilidade dos vencimentos. O juiz é o único trabalhador que não tem uma política salarial. Não é possível continuar nessa situação." (o Estado de S. Paulo).
Compartilhe este artigo :

Gostou do que leu? Comente. Compartilhe. Divulgue

RENASCER EM NOTÍCIA

Minha foto

AGUINALDO SILVA - Radialista Profissional - 2.913 DRT-PB, 46 anos, servidor publico, natural de Mulungú-PB, radicado em Cabedelo-PB desde 1988, divorciado, pai de um casal de filho, produtor e ativista cultural, socialista por convicção, militante social, cultural e político em Cabedelo,  blogueiro, escreve no site www.cabedelonarede.com.br e no blog www.renasceremnoticia.blogspot.com
Ama os seres humanos e detesta a desigualdade social. "Se voce é capáz de se indignar com o sofrimento de seu semelhante, somos amigos" Frase de Che Guevara que tem como moldura em sua vida.
Atualmente trabalha na Casa da Cidadania de Cabedelo e busca ativar o movimento cultural do Renascer e interligar em rede, o terceiro setor de Cabedelo.
 
Site: Cabedelo Na Rede : Click aqui Copyright © 2011. Renascer em Notícia - Editado por Rhicardho
Proudly powered by Blogger