Bilhete interceptado pela ditadura militar levou Dilma a ser torturada em Minas



“Orós, peço-lhe procurar com urgência a Stela e mandá-la procurar por João, à rua Oruá, 246, no bairro S. Paulo, para discutir um troço. Se não conseguir encontrá-la, vá você mesma. É importantíssimo. Saudações de Gabriel”
Apesar de ter sido escrito na surdina, o bilhete enviado por Gabriel, codinome de Ângelo Pezzuti, principal dirigente da Comando de Libertação Nacional (Colina) em Belo Horizonte, consegue preservar a correção gramatical e demonstrar a urgência do momento. Preso na Colônia Magalhães Pinto, a Penitenciária de Neves, na Grande BH, Gabriel tentava escapar da prisão, como outros companheiros, envolvendo no ousado plano de fuga a jovem militante política Estela, codinome de Dilma Rousseff, que mais tarde seria eleita democraticamente à Presidência do Brasil.
Ele pensou que poderia contar também com a ajuda de Oroslinda Maria Taranto Goulart, a Orós, que era do setor operário da Organização Políticos (OPM). Mas a verdade é que a mensagem nunca chegaria às mãos de nenhuma das duas militantes políticas, sendo interceptada pelos agentes da repressão.
Por causa desse e de outros 21 bilhetes endereçados a Dilma (Estela), a Oroslinda (de codinome Mônica) e a outros companheiros de militância, Dilma voltaria a ser torturada, agora nos porões da ditadura de Juiz de Fora, em Minas. Ao descrever os sistemas de troca de guarda, as cinco galerias de celas e inclusive desenhar o mapa da penitenciária, Pezzuti involuntariamente despertou a suspeita de que havia militantes infiltrados em órgãos de segurança de Minas.
“Eu não tinha a menor ideia do que se tratava, pois tinha saído de BH no início de 1969 e isso era no início de 1970. Desconhecia as tentativas de fuga do Ângelo Pezzuti, mas eles supuseram que se tratava de uma mentira”, revelou Dilma, em depoimento até ontem inédito, prestado em 2001 à equipe do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Conedh-MG), segundo publicou ontem com exclusividade o Correio/Estado de Minas, revelando em primeira mão os relatos e a dor da própria presidente na prisão em Minas. Pensativa, Estela disse mais: “Talvez uma das coisas mais difíceis de você ser no interrogatório é inocente. Você não sabe nem do que se trata”.
O resultados dos bilhetinhos foi um só: Dilma voltou a apanhar em Minas, e de forma ainda mais brutal. Os agentes da repressão queriam que Estela contasse o que sabia sobre o plano de fuga dos presos, a qual, aliás, acabou não ocorrendo. “Até tentei ajudar, mas logo depois a polícia foi atrás de mim. Não deu tempo”, lamenta Oroslinda, que deixou para trás o apelido de Orós e hoje é conhecida como Linda. De codinome Mônica, a ex-militante entrou para a clandestinidade e nunca chegou a ser presa pelos órgãos de segurança. Atualmente, trabalha como chefe de gabinete de outra militante da época, a ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para Mulheres, que também entrou com pedido de indenização na comissão mineira.
Ao ser levada num camburão de São Paulo para Minas, Estela imaginava que seria apenas interrogada, como das outras vezes, pois já estava na fase final do julgamento na auditoria da 4ª Circunscrição Judiciária Militar (CJM), em Juiz de Fora.
Mas as sessões de sofrimento, que já haviam acontecido em São Paulo e no Rio de Janeiro, recomeçaram. “A convicção de que haveria traidores no meio policial militar explicavam a violência dos interrogatórios e a intensidade das torturas que, sem cessar, intercalavam, ao longo do dia: pau de arara, afogamento, choques elétricos, palmatória, pau-de-arara, num rodízio infernal e, em alguns momentos, o horror da simultaneidade de todas essas sevícias”, declarou Dilma, quando era ainda secretária de Minas e Energia do Rio Grande do Sul e filiada ao PDT. O documento serviu de base para requerer a indenização de R$ 30 mil concedida às vítimas de tortura pelo Conedh-MG, a primeira comissão do país a reconhecer esse direito, ainda na época do governador Itamar Franco.
Fonte: Correio Braziliense
Compartilhe este artigo :

Gostou do que leu? Comente. Compartilhe. Divulgue

RENASCER EM NOTÍCIA

Minha foto

AGUINALDO SILVA - Radialista Profissional - 2.913 DRT-PB, 46 anos, servidor publico, natural de Mulungú-PB, radicado em Cabedelo-PB desde 1988, divorciado, pai de um casal de filho, produtor e ativista cultural, socialista por convicção, militante social, cultural e político em Cabedelo,  blogueiro, escreve no site www.cabedelonarede.com.br e no blog www.renasceremnoticia.blogspot.com
Ama os seres humanos e detesta a desigualdade social. "Se voce é capáz de se indignar com o sofrimento de seu semelhante, somos amigos" Frase de Che Guevara que tem como moldura em sua vida.
Atualmente trabalha na Casa da Cidadania de Cabedelo e busca ativar o movimento cultural do Renascer e interligar em rede, o terceiro setor de Cabedelo.
 
Site: Cabedelo Na Rede : Click aqui Copyright © 2011. Renascer em Notícia - Editado por Rhicardho
Proudly powered by Blogger