Ladeado por Elizabeth Teixeira, Assis Lemos e Agassiz Almeida, governador inaugura Memorial das Ligas Camponesas.


Agassiz Almeida: “Existem na vida dos povos momentos de criação soberana; as Ligas Camponesas foram um desses”. Elizabeth Teixeira: “João Pedro Teixeira, eu continuarei a tua luta”.
Com a mobilização e apoio articulados por entidades, órgãos e centros de defesa dos direitos humanos, como o grupo Tortura Nunca Mais, Movimento dos Sem Terra (MST), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Central Única dos Trabalhadores (CUT,) Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Associação dos Anistiados Políticos, foi celebrada a morte de João Pedro Teixeira, líder camponês assassinado por sicários do latifúndio, em 2 de abril de 1982,  na rodovia Café do Vento, Sapé.
Um dos fundadores das Ligas Camponesas de Sapé, em 1958, juntamente com Biu Pacatuba, João Alfredo, Pedro Fazendeiro e Ivan Figueiredo, João Pedro Teixeira exercia na época a presidência desta entidade.
Extensa Programação foi cumprida durante o dia 2 do corrente mês com a celebração da memória do líder camponês morto: Às 10 horas, visita ao túmulo de João Pedro Teixeira no cemitério conhecido por “Cemitério Velho” de Sapé. Em seguida, realizou-se caminhada até a praça João Pessoa, onde ocorreu ato público, durante o qual discursaram  personagens históricos das lutas camponesas, dentre os quais Elizabeth Teixeira, Agassiz Almeida, Assis Lemos e João Pedro Stédile, presidente nacional do Movimento dos Sem Terra (MST).
Com palavras carregadas de profunda emoção, Elizabeth Teixeira relatou o seu calvário após a morte do seu esposo. Acentuou a líder camponesa: “Mesmo carregando o peso dos meus quase 90 anos estarei sempre lutando pela reforma agrária no Brasil, que ainda não foi realizada”.
Falou, em seguida, o ex-deputado constituinte Agassiz Almeida, que rememorou as lutas dos camponeses, destacando: “Há 50 anos, tiros do latifúndio abateram João Pedro Teixeira; ele tombou no chão da história como um valente que não se curvou ante forças poderosas”. João Pedro Stédile ao discursar acentuou: “O Movimento dos Sem Terra (MST) teve como embrião as Ligas Camponesas e a história de luta de homens como João Pedro Teixeira, Francisco Julião, Pedro Fazendeiro e tantos outros companheiros”.
Da praça João Pessoa, carreata se dirigiu ao povoado de Barra de Antas, em Sapé, para a casa onde morou João Pedro Teixeira. Às 16 horas, com a presença do governador Ricardo Coutinho, o arcebispo Dom José Maria Pires, deputados, secretários do governo e representantes de várias entidades de classe e órgãos defensores dos direitos humanos, inaugurou-se o Memorial das Ligas Camponesas, com as bênçãos cristãs de Dom José Maria Pires, seguindo-se o corte simbólico da fita por parte do governador Ricardo Coutinho, Elizabeth Teixeira e Agassiz Almeida.
Após este ato cívico, o governador Ricardo Coutinho destacou a presença histórica destes nomes das lutas camponesas no Nordeste, como os de Elizabeth Teixeira, Agassiz Almeida, Assis Lemos e Francisco Julião, in memoriam, representado pelo seu filho Anacleto Julião.
O ex-deputado Assis Lemos assim se expressou: “Lá nos finais da década de 1950, quando participamos da fundação das Ligas Camponesas, visamos implantar a reforma agrária no país”.
Em seguida, falou Agassiz Almeida: “50 anos nos separam daquele 2 de abril de 1962, e a partir de então um grito de indignação ecoou pelos tempos afora. Repito como já me manifestei em várias partes do  país: a abolição da escravatura em 13 de maio de 1888 veio  da pena de uma princesa;  70 anos depois, a libertação dos camponeses, após quatro séculos de opressão do latifúndio, foi conquistada, com sangue, suor e mortes”.
Encerrando a programação, o governador Ricardo Coutinho, visivelmente emocionado, destacou: “Com este Memorial das Ligas Camponesas pretendemos resgatar a história das lutas camponesas, e ao mesmo tempo, dizer ao povo paraibano que estamos bem próximo dos trabalhadores rurais, a fim de trazer dias melhores e recuperar uma parte das lutas agrárias deste país que não podem ser esquecidas. A maior dificuldade para instalar este Memorial foi o ódio daqueles que implantaram a ditadura no país, os quais além de matarem muita gente, quiseram apagar da memória do povo documentos da época”.
Fonte: Assessoria do CRDHA
Compartilhe este artigo :

Gostou do que leu? Comente. Compartilhe. Divulgue

RENASCER EM NOTÍCIA

Minha foto

AGUINALDO SILVA - Radialista Profissional - 2.913 DRT-PB, 46 anos, servidor publico, natural de Mulungú-PB, radicado em Cabedelo-PB desde 1988, divorciado, pai de um casal de filho, produtor e ativista cultural, socialista por convicção, militante social, cultural e político em Cabedelo,  blogueiro, escreve no site www.cabedelonarede.com.br e no blog www.renasceremnoticia.blogspot.com
Ama os seres humanos e detesta a desigualdade social. "Se voce é capáz de se indignar com o sofrimento de seu semelhante, somos amigos" Frase de Che Guevara que tem como moldura em sua vida.
Atualmente trabalha na Casa da Cidadania de Cabedelo e busca ativar o movimento cultural do Renascer e interligar em rede, o terceiro setor de Cabedelo.
 
Site: Cabedelo Na Rede : Click aqui Copyright © 2011. Renascer em Notícia - Editado por Rhicardho
Proudly powered by Blogger