Homem passa de ex-detento ao cargo de diretor em presídio na Paraíba e é referencia na administração penitenciária.


Foi dentro de uma cela que o ex-policial militar Antonio Galdino Silva Neto, 44 anos, viveu os piores cinco anos de sua vida.
Quando tinha pouco mais de 20 anos, foi acusado de matar a própria esposa, com um tiro acidental. Sentenciado e preso, ele ainda foi obrigado a conviver lado a lado com os mesmos criminosos que, um dia, ajudou a colocar atrás das grades.
O tempo passou, a pena foi concluída, mas ainda hoje as grades fazem parte da vida do ex-policial. A diferença é que elas não têm mais a finalidade de prendê-lo. Atual diretor do Presídio de Sapé, localizado a 55 quilômetros de João Pessoa, Silva Neto é único ex-presidiário da Paraíba que se tornou o administrador de uma instituição prisional.
Casado, evangélico e estudante do terceiro período do curso de Direito, o diretor conta que não foi fácil mudar o próprio destino.
Apesar do ambiente hostil, foi na cadeia que ele começou a estudar. “Concluí o ensino fundamental e o médio. Quando terminei minha pena, saí pela porta da frente. Procurei emprego, mas não conseguia por causa de meu passado. Depois de algum tempo, comecei a trabalhar na Assembleia Legislativa e acabei, neste ano, sendo nomeado para assumir a direção do Presídio de Sapé”, conta.
Com uma pistola na cintura e vestido com o uniforme preto, cedido pela Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Secap), Silva Neto relembra a própria história com um certo brilho nos olhos. Apesar de admitir que o passado não foi fácil, ele revela que sente orgulho de determinadas decisões que tomou.
Aos 19 anos, ingressou na Polícia Militar e realizou um sonho que tinha desde criança. Passou seis anos vestindo a farda e era considerado um policial “linha dura”. No combate ao tráfico de drogas, conseguiu realizar muitas prisões, mas também colecionou inimigos.
“Eu era do tipo autoritário e respondi a alguns processos por causa disso. Quando ocorreu o homicídio, em que a vítima foi minha própria esposa, a polícia me prendeu para dar uma satisfação à sociedade. Além de ficar viúvo, fui levado algemado, escoltado para um presídio de Princesa Isabel e, depois, transferido para o Presídio do Serrotão, em Campina Grande”, lembra.
Fonte: Jornal da Paraíba
Compartilhe este artigo :

Gostou do que leu? Comente. Compartilhe. Divulgue

RENASCER EM NOTÍCIA

Minha foto

AGUINALDO SILVA - Radialista Profissional - 2.913 DRT-PB, 46 anos, servidor publico, natural de Mulungú-PB, radicado em Cabedelo-PB desde 1988, divorciado, pai de um casal de filho, produtor e ativista cultural, socialista por convicção, militante social, cultural e político em Cabedelo,  blogueiro, escreve no site www.cabedelonarede.com.br e no blog www.renasceremnoticia.blogspot.com
Ama os seres humanos e detesta a desigualdade social. "Se voce é capáz de se indignar com o sofrimento de seu semelhante, somos amigos" Frase de Che Guevara que tem como moldura em sua vida.
Atualmente trabalha na Casa da Cidadania de Cabedelo e busca ativar o movimento cultural do Renascer e interligar em rede, o terceiro setor de Cabedelo.
 
Site: Cabedelo Na Rede : Click aqui Copyright © 2011. Renascer em Notícia - Editado por Rhicardho
Proudly powered by Blogger