ATÉ QUANDO SUPORTAREMOS TAMANHO DESCASO AO FOLCLORE?

Tadeu Patrício
Desde agosto de 1991 que o Movimento Cultural de Cabedelo – MCC com a participação das Entidades Culturais, Grupos Folclóricos Tradicionais e os Grupos Para-Folclóricos do município têm organizado o Dia do Folclore (22 de Agosto), o Dia da Cultura (05 de Novembro), o Dia da Música (22 de Novembro), ora com MAIS apoio cultural, ora com POUCO apoio cultural e ora com “porra” nenhuma de apoio cultural. É bem verdade que não podemos NEGAR o apoio cultural da Prefeitura Municipal de Cabedelo durante a primeira gestão do prefeito Zé Régis, bem como o apoio cultural do ex-prefeito Dédo Resende que nos deu mais recursos e estruturas materiais para tais eventos, o que prontamente se estendeu durante a gestão do ex-prefeito Dr. Júnior Farias cujo trato que foi dado à cultura é indiscutível. É bem verdade que, em alguns casos discordamos, reclamamos, ficamos enraivecidos com aquela administração, mas éramos ouvidos e a nós apresentados soluções para as nossas reivindicações. (Saibam que não fiz parte da administração de Dr. Júnior, nem tão pouco votei nele para prefeito, mas reconheço nele seu respeito e atenção à cultura de Cabedelo, disso não tenho dúvida!)
Desde 2005 que à cultura popular de Cabedelo, em especial o Dia Internacional do Folclore, evento este denominado de Encontro do Folclore no Forte, tem sido um descaso pela falta de investimentos para o desenvolvimento sustentável da nossa identidade cultural. Por que digo isto? Porque quando se apresenta nas reuniões das entidades culturais, dos grupos folclóricos e para-folclóricos de Cabedelo, os dados estatísticos dos valores previstos no orçamento de Cabedelo referente ao exercício de 2011 no total de R$ 138.189.662,00 (cento e trinta e oito milhões, cento e oitenta e nove mil, seiscentos e sessenta e dois reais), desse montante previsto no mesmo orçamento para o desenvolvimento das atividades da CULTURA, o total de R$ 2.486,400,00 (dois milhões, quatrocentos e oitenta e seis mil, quatrocentos mil reais), e ainda estando previsto no QDD (quadro detalhado da despesa fixada por unidade orçamentária) no setor da rublica 13 392 1010 2057 - Apoio a Arte e Cultura Popular (Folclore) o total de R$ 272,200,00 (duzentos e setenta e dois mil, duzentos mil reais) as lideranças dos grupos e demais brincantes da cultura popular ficam PASMO com tanta falta de vontade política de realizar algum projeto para o desenvolvimento da arte e cultura popular, o que nos leva a confirmar o desprezo para com as manifestações culturais de Cabedelo que tem sido penalizada pela atual administração, ou será que somos lembrados apenas como produtos de votos em ano de eleição?
 É bem verdade que alguns “pré-candidatos” que ficam rodando os eventos da cultura de Cabedelo para se mostrar “simpáticos”, com exceção de algumas pessoas da política local que ao longo da história tem sempre prestigiado a cultura cabedelense independente da época de eleições ou não, estes têm prestigiado nossos eventos pelo respeito e carinho as nossas lideranças e mestres da cultura e não por pretender conquistar algum voto, até pelo contrário muitas vezes se fazem presentes porque foram convidados.
Apesar de Cabedelo ser considerado o município mais rico do estado em PIB per capita tendo um PIB (produto interno bruno) superior a 2,2 bilhões, segundo os dados publicados pelo IBGE desde 2007, ou seja, mais da metade da economia de Campina Grande, lembrando que Cabedelo tem uma área muito menor (31,42) quilômetros quadrados com 18 (dezoito) quilômetros do seu território por extensão de 3 (três) quilômetros de largura em algumas partes dessa península (pequeno cabo de área) continuamos um município rico, mas de um povo pobre com pouca política pública de investimento social, no caso a cultura.
Se não fosse a Lei Municipal nº 963/99 de Incentivos Fiscais à Cultura, denominada Lei Padre Alfredo Barbosa criada na gestão do ex-prefeito Dédo a situação está alarmante, pois tem sido através da CONMIC (Comissão Normativa Municipal de Incentivos à Cultura) que nossa arte e cultura tradicional têm respirado nesse mar de descaso cultural.
Estamos resistindo a tudo isso, como grandes guerreiros culturais, mas a situação das entidades culturais de Cabedelo, a exemplo Fundação Fortaleza de Santa Catarina, Associação Artístico Cultural de Cabedelo, Grupo de Teatro Amador Alfredo Barbosa, Movimento de Música Popular de Cabedelo, Associação dos Artesões de Cabedelo, Grupo Nau Catarineta Tradicional, Grupo Coco de Roda do Mestre Benedito, Banda de Música 12 de Dezembro e o Grupo Tambores do Forte, se não houver apoio, incentivos culturais do poder público municipal, simplesmente desaparecerão da história cultural de Cabedelo e ficaremos como dizia o saudoso mestre Hermes Nascimento - Cabedelo no passado já teve isso... Já teve aquilo.....
De acordo com o artigo 215 da Constituição Federal Seção II – Da Cultura – O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais (vejam também o artigo 216 sobre o patrimônio cultural brasileiro). Já a Constituição Municipal de Cabedelo diz no artigo 198 - Seção II - Da Cultura – O Município apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais, prioritariamente, as diretamente ligadas à história de Cabedelo, à sua comunidade e aos seus bens. (Saibam mais do artigo 199 até 205). Por que não se cumpre?

Quero reafirmar que nas condições humanas e materiais que foram propostas para o evento do Encontro do Folclore no Forte, realizado na Fortaleza de Santa Catarina, nos dias 26 e 27 de Agosto de 2011 foram espinhosas; que a falta de participação dos grupos da programação na organização do evento sacrificou uma pequena equipe na montagem e desmontagem da estrutura física. Não faz sentido participarmos dessas atividades populares, algumas delas uma única vez no ano, e depois da apresentação, lancharem e ir embora. Como fica o nosso entusiasmo de brincantes? Afinal é uma data para comemoramos junto o festejo, seja do folclore, da cultura ou da música. Outra coisa que tem sido lamentável é a falta de condições estruturantes para proporcionamos eventos com mais qualidade da nossa história cultural, pois não dar para continuar assistindo nossas crianças e juventude se desviando para o mundo das drogas e prostituição e se sentir impotente, não poder fazer nada para mudar o quadro que ai se encontra. É necessário que haja mais apoio aos eventos culturais no município, para levarmos a auto-estima dos nossos brincantes e divulgar a cultura cabedelense em outros municípios através de caravanas e intercambio cultural. Desta forma contém comigo! 

Texto de Tadeu Patrício - mestre da cultura popular com mérito reconhecimento da comunidade cabedelense e do Ministério da Cultura/DF - Brasília!
Compartilhe este artigo :

Gostou do que leu? Comente. Compartilhe. Divulgue

RENASCER EM NOTÍCIA

Minha foto

AGUINALDO SILVA - Radialista Profissional - 2.913 DRT-PB, 46 anos, servidor publico, natural de Mulungú-PB, radicado em Cabedelo-PB desde 1988, divorciado, pai de um casal de filho, produtor e ativista cultural, socialista por convicção, militante social, cultural e político em Cabedelo,  blogueiro, escreve no site www.cabedelonarede.com.br e no blog www.renasceremnoticia.blogspot.com
Ama os seres humanos e detesta a desigualdade social. "Se voce é capáz de se indignar com o sofrimento de seu semelhante, somos amigos" Frase de Che Guevara que tem como moldura em sua vida.
Atualmente trabalha na Casa da Cidadania de Cabedelo e busca ativar o movimento cultural do Renascer e interligar em rede, o terceiro setor de Cabedelo.
 
Site: Cabedelo Na Rede : Click aqui Copyright © 2011. Renascer em Notícia - Editado por Rhicardho
Proudly powered by Blogger